Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

...o avesso de mim!

Eu achava-me aparentemente normal, até descobrir...

Os números do Covid...

Trágicos ou não?

original.jpg

Estou há alguns dias para escrever sobre este assunto, que me tem dado alguma irritação, confesso! E mesmo correndo o risco de ser mal interpretado, resolvi arriscar!
Qual é o peso de uma tragédia para cada um de vocês?
Como a maioria, tenho acompanhado de perto a pandemia devida ao Covid-19, gosto de estar a par dos números e através das redes sociais acabo sempre por ler alguns dos comentários que vão surgindo! 
Comentários positivos, enriquecedores, outros mais simples, contudo existem outros que me chegam a dar comichão! 
Como é que se pode dar graças a Deus por não termos um cenário pandémico como o de Espanha, Itália, França ou EUA? Como é que é possível?
Então se dermos graças a Deus, assumimos como culpa dele os mais 300 mortos atuais em Portugal?
Ou Deus é o culpado da tragédia nos outros países e resolveu poupar-nos?
A sério, juro que não percebo!
Para mim é tão trágica a morte de uma pessoa como de 1000!
O máximo de respeito é exigido nestes tempos complicados, ainda bem que não temos os números horrendos do exterior, contudo cada um dos nossos que morreu é trágico também e duvido que a existir Deus ele quisesse que assistíssemos a este cenário apocalíptico!
Ainda vai morrer muita gente e ninguém sabe como nos vamos safar desta situação, portanto haja noção do que se pode ou não dizer e escrever!
Tudo isto é uma tragédia a nível mundial, mas se olharmos a cada país cada um tem a sua tragédia em marcha independentemente do  número maior ou menor de mortos!

O meu silêncio...

Uma foto...uma história

Nala.jpg

… o meu silêncio foi, durante muito tempo, um fardo. Nele sentia-me em insegurança como se estar face a face comigo própria fosse o mesmo que estar sob fogo cruzado.

 

Pode ser tão difícil ficarmos em silêncio quando teimamos em ver-nos como seres insignificantes e pequeninos. Nestes casos o confronto direto com ele pode ser devastador pois antes de começarmos a batalha, já sentimos que a perdemos.

 

Ao longo do tempo fui aprendendo a aceitar esse desconforto que o silêncio me trazia. Diria mesmo que aprendi a amá-lo e a acarinhá-lo como um encontro privilegiado que tenho comigo mesma.

 

Porque o meu silêncio pode ser tanta mas tanta coisa…

 

Ele pode ser um porto de abrigo quando preciso de um, pode ser um momento de tristeza quando preciso chorar, ele pode ser o meu foco quando preciso de me focar… O meu silencio vale tanto quanto a minha voz alegre que entoa num dia solarengo.

 

O meu silêncio vale tanto como o meu riso que se eleva numa gargalhada cristalina.

 

O meu silêncio vale ouro… porque esse momento é meu e só o partilho comigo mesma ou com aqueles que são parte de mim!

 

Nala

Cristóvam - Andrà Tutto Bene

Vai ficar tudo bem!

"Nestes tempos estranhos, em que todos nos encontramos um pouco assombrados pela ansiedade, procuramos dentro de nós a melhor forma de a combater. Escrevi e gravei esta canção no meu pequeno estúdio como a minha forma de o fazer.
Não é suposto ser nada mais do que a minha pequena tentativa de mandar um grito de esperança aqui do meio do mar para todos aqueles que neste momento mais precisam. Fiquem bem. Separados lutamos, juntos resistimos. Um abraço a todos!"  - Cristóvam

Dos Açores para o mundo, surge este tema leve e contagiante, um hino repleto de esperança para que tudo fique realmente bem!

Bom domingo!

Ainda sobre o desafio...

Uma foto...uma história!

3-pilares-da-fotografia-001.jpgMuito obrigado a todos vocês que aceitaram participar neste desafio de partilharem uma foto e uma história alusiva a um tema que eu próprio vos farei chegar por email!
A adesão foi satisfatória ainda que tenha completado a lista com mais alguns de vocês que por um motivo ou outro não tenham reparado neste desafio que criei!
Assim, também vos quero informar que o primeiro blog desafiado já foi contactado e já me fez chegar o seu trabalho! 
Mas quem será? Perguntam vocês?
Aguardem até segunda-feira, de resto o dia por mim escolhido para publicar os vossos trabalhos!
Todas as segundas-feiras (pelo menos as próximas 33), um convidado e um tema diferente aqui no meu (nosso) cantinho!
Mais uma vez, obrigado por participarem!

O meu girassol!

Desafio das flores...

girassol_210235387.jpg
Ai se eu pudesse, um jardim cheio de girassois eu teria!
A Primavera chegou, mas este ano não estamos, para já, a conseguir ver o desabrochar das flores! Por isso não consegui fotografar uma flor, venho então falar-vos daquela que para mim é a rainha entre todas as outras!
A flor do girassol...
O girassol é uma planta, cuja flor é a minha favorita de todas as outras que conhecemos!
Também gosto de tulipas, de rosas, das gerberas, mas para mim a flor do girassol é a que mais me encanta!
Uma irmã minha teve (tivemos) em tempos uma papelaria / florista e de todos os ramos que ela fazia, aqueles onde o girassol era rei, eram os mais bonitos! Não imaginam os trabalhos florais que ela fazia e o talento que ainda tem!
Por altura do dias dos namorados, num ramo de rosas vermelhas o girassol no meio delas dava aquele toque único! Eu adorava...
Ai se eu pudesse ter um cantinho de terra na nova casa, gostava de poder plantar girassóis!
E a vossa flor favorita qual é?

Pão caseiro...

...copiando o Marco Costa!

IMG_20200402_005849-01.jpeg

Por estes dias ao vermos o Marco Costa, o pasteleiro a fazer pão caseiro no programa das tardes da TVI, abriu-nos o apetite e decidimos meter mãos a obra!
O resultado é o que vocês conseguem ver nas imagens, fizemos pão e pão com chouriço e queijo.
Deixo -vos a receita para que possam experimentar se quiserem!

Ingredientes:

500 g farinha de trigo, sem fermento
10 g fermento seco padeiro (próprio para pão) ou 25 g de fermento fresco
10 g sal
300 ou 400 ml de água morna

Preparação:

1 - Num alguidar, juntar farinha, sal e fermento. Adicionar água aos poucos, enquanto vamos envolvendo tudo;
2 - Amassar a mistura, até toda a massa sair das mãos. Fazer o teste do véu (esticar a massa e conseguir olhar para o outro lado sem a massa partir);
3 - Deixar levedar, no mínimo, 2 horas;
4 - Quando a massa estiver com o dobro do tamanho, levar ao forno a 180 graus, durante 30 a 40 minutos.

Atrevam-se!

Bom apetite.

Amar...

...em tempo de pandemia!

FB_IMG_1585520478634.jpgÉ difícil desviar o assunto da pandemia aqui do blogue!
Tenho conseguido abstrair-me, contudo continuo atento às notícias!
Esta foto ilustra bem e de uma forma bem emotiva como deveriam ser as nossas relações neste momento, à distância, sem o toque, sem o beijo, sem o abraço!
Isto é, amar em tempo de pandemia!
É tão complicado para as pessoas perceberem que este estado de emergência não é brincadeira?
É preciso uma imagem mais forte do que esta para mostrar que é em casa que temos de estar, resguardados do contacto social e dos aglomerados de pessoas?
Talvez não atinja os mais insensíveis, eu sei que os há, mas esta fotografia conseguiu mexer comigo e ainda aumentar o meu respeito pelos profissionais de saúde que neste momento combatem na linha da frente a guerra contra o inimigo invisível.
Tenho um amigo enfermeiro, falei ontem com ele, curioso por saber como se estavam a safar na unidade hospitalar onde presta serviço! Não me passou informações privilegiadas, contudo em poucas palavras conseguiu traçar o cenário atual e o que há-de vir, pediu-me para continuar a resguardar os mais idosos, pediu-me para ficar em casa sempre que possível! 
"Uma valente merda!... Não fiques doente!" - Estas foram as primeiras palavras dele!
Portanto, para quê arriscarmos? 
Apenas temos saído para fazer compras, de resto passamos o dia confinados a este t2 que já conhecemos de cor! Não saímos sequer para fazer as chamadas saídas higiénicas!
Sei que no fim deste isolamento estaremos mais gordos, mais presos a nível muscular também, mas depois teremos o tempo todo para tratar desses pormenores, porque o mais importante agora é não apanharmos o bicho invisível, não queremos ficar doentes, não queremos contagiar ninguém, não queremos morrer!
Em breve, poderemos de novo abraçar e beijar os nossos, se bem que, depois disto o contacto com o próximo vai ficar muito mais comprometido!
Mas até lá...
Sejamos todos agentes de saúde pública: protege-te a ti e aos outros!

Uma foto...

...uma história!

3-pilares-da-fotografia-001.jpg

 

Desafio-vos!
Hoje venho cá para vos desafiar, ou pelo menos deixar-vos a pensar!
Os tempos de isolamento levaram-me a pôr em prática algo diferente para o meu blog e porque não um desafio a todos os que me seguem?
Pois bem, "Uma foto...uma história!", terá como base um tema a ser enviado a um convidado por semana! 
O tema será segredo até ser publicado!
O tema terá que ter sempre uma foto a acompanhar um texto onde o desenrolar da história ficará sempre a cargo do autor!
O pretendido será sempre a realidade, o sentimento pois será sempre com a verdade que podemos inspirar quem nos rodeia!
O convidado será sempre informado do tema por email ao domingo, desafio aceite, terá sempre que me fazer chegar a imagem e o texto até ao próximo sábado, para que o mesmo seja publicado aqui na segunda-feira seguinte!
Prático não?
Já tenho alguns temas em mente, já tenho até temas que mais ao menos já sei a quem os atribuir, contudo, também quero ter de vocês uma resposta a este desafio!
Aceitam?

Quer o destino...

...na TVI!

MV5BNDhjZWEzNzQtZTJiMi00ZGMzLTk0ODUtYzY1MzBlNmVkNz

Apesar de todo o suspense, drama, tragédia que se está a viver à nossa volta e de toda esta ansiedade que me invade e que não me tem deixado descansar, tenho tentado distraír-me de alguma forma!
Não está fácil, mas há que procurar a distracção, seja num bom filme, seja até numa novela!
E por falar em novelas, alguém assistiu aos primeiros episódios da nova novela da TVI?
Quer o destino...uma história de vingança!
Estreou na passada segunda-feira e posso garantir que me tem entretido!
Continuo a afirmar, as audiências até podem estar do lado de Carnaxide, mas as melhores novelas estão na TVI!
Quer o destino veio para ficar!
E numa altura de pandemia, queira o destino que estejamos livres de toda esta crise em breve!

Quer o destino...
Esta trama conta a história de amor e de vingança de uma mulher que, já adulta, regressa ao local onde foi violada e onde virá a ser surpreendida com a sua capacidade de superação e, também, com algumas das mais vis expressões de maldade humana.
Vitória viu a sua vida dar uma volta de 180 graus quando era ainda criança. Foi violada e assistiu ao homicídio do pai. Passados 14 anos, a jovem volta à casa de família dos seus violadores para, como enfermeira e fisioterapeuta, ajudar a mãe desses homens, Catarina, que sofreu um AVC e está em recuperação. Apesar da dureza de carácter, Catarina, a matriarca da família Santa Cruz, deixa-se prender pela simpatia e pela dedicação de Vitória, o que a levará a fazer tudo pela jovem, até ao momento em que percebe que a sua vida pode pôr em risco a vida dos próprios filhos.

Vão para casa...

...e deixem-me sair!

Divagação_Antony-Gormley.jpg

 

Chego a um ponto em que quero escrever, escrever, escrever!
Afinal, agora tenho tempo que sobra para fazer tudo e mais alguma coisa, estou de férias, contudo, confinado a estas quatro paredes, não consigo ter outro assunto senão o tema dos últimos dias!
Este isolamento obrigatório ainda mais nos deixa à mercê das notícias que nos chegam por todos os canais televisivos ou até pelos alertas no computador!
Estou doente, sinto-me doente, não só pela dor de garganta que não me tem largado nos ultimos dias, como também pelo estado de ansiedade em que estou...é muita coisa a acontecer ao mesmo tempo, ainda que, como já disse, confinado a estas quatro paredes!
Não morro da doença que anda por aí à solta, morro sim desta clausura que me deixa quase sem ar!
Ainda só passou uma semana de isolamento, se bem que saí duas ou três vezes para compras / farmácia, mas não é o suficiente!
Apetece-me gritar a todos, vão para casa, vão para casa e deixem-me sair!
Estou a desesperar...

Como estão a viver esta pandemia aí desse lado?